As maravilhas do mundo: Machu Picchu





Mais conhecida como a cidade "perdida dos Incas", localizada no topo de uma montanha com mais de 2400 metros de altitude, no Peru. Foi construída por ordem do imperador Pachacuti, no século XV. Boa parte dos arqueólogos acreditam que Machu Picchu foi construída como propriedade do Imperador inca Pachacuti (1438 - 1471). 
Os Incas construíram a cidade por volta de 1452, mas foi abandonada um século depois, na época da Conquista Espanhola.
É possível que a maioria de seus habitantes tenham morrido devido à varíola introduzida pelos viajantes antes que os conquistadores espanhóis chegassem à região.




Hiram Bingham em sua tenda - 1912
O local permaneceu desconhecido pelos espanhóis e permaneceu assim até 1911, quando o historiador americano Hiram Bingham chamou a atenção do mundo para o local. Há controvérsias em relação ao "descobrimento" da cidade, pois em 1865, o naturalista italiano Antonio Raimondi fazia uma exploração pelo local, chegou a passar aos pés das ruínas e a mencionar a escassez de pessoas na região na época. Tudo parecida deserto, sem rastros de pessoas. É pouco provável que ele tenha visto qualquer coisa na época, tudo estava coberto pela vegetação, mas não podemos afirmar nada.
Em outra investigação que foi divulgada em 2008, pelo diário espanhol ABC, realizada pelo historiador e explorador Paolo Greer, revelou que o empresário alemão Augusto Berns não só já  havia "descoberto" as ruínas em 1867, como também havia fundado uma empresa mineradora para explorar os tesouros perdidos do local (a "Compañía Anónima Explotadora de las Huacas del Inca") e tudo isso quarenta anos antes da data oficialmente conhecida. 
De acordo com o historiador, entre 1867 e 1870, tudo era feito com a aprovação do governo Peruano, que ganhavam 10% dos lucros. Tudo que a companhia encontrou no local foi vendido para colecionadores.
A cidade foi colocada em mapas antigos, onde afirmavam a sua localização exata ou seja, de perdida ela nunca teve nada, só era de difícil acesso e talvez não tivesse mais nada de "interessante" para alguns ambiciosos.

Machu Picchu - 1912

O Redescobrimento:
O professor norte-americano Hiram Bingham, tomou à frente de uma expedição da Universidade de Yale, redescobriu e apresentou ao mundo essa grandiosidade que é Machu Picchu, em 24 de julho de 1911. Ele realizou uma investigação por todo o local, também foi ele que criou o nome de "A Cidade Perdida dos Incas" através de seu primeiro livro, Lost City of the Incas. Na época suas intenções eram outras, o professor procurava pela lendária capital dos descendentes dos Incas, Vilcabamba, que foi lugar de resistência contra os invasores espanhóis, entre 1536 e 1572. Mas, o professor teria uma surpresa ao encontrar algo totalmente fora dos planos.

Ao caminhar pelo cânion do Rio Urubamba com o camponês, foi relatado que no alto das montanhas existiam centenas de ruínas, mas que para alcança-las teriam que subir por um local com vegetação fechada. O local era tomado por árvores e todo o tipo de vegetação e também era infestado de víboras. Bingham ainda duvidava da existência de tal cidade, mesmo sendo conhecedor de muitas histórias sobre cidades perdidas, era completamente cético quanto a existência de algo naquele local.
O professor foi guiado até o local por uma das famílias que residiam no local, ao chegar se deparou com construções cobertas por um manto verde de vegetação, tudo parecia abandonado por séculos. Ainda sem acreditar na sua descoberta, assombrado por tal visão, escreveu em seu diário:
"Acreditará alguém no que eu encontrei?"
Após a expedição, Bingham continuou retornando ao local nos anos seguintes, vários outros exploradores foram ao local e fizeram mapas e explorações detalhadas do local e seus arredores. Em suas escavações foram encontrados mais de 555 vasos, 220 objetos de bronze, cobre, prata e de pedra. 
Artes em cerâmica, peças de metal, braceletes, prendedores, facas, machados e brincos. Não foram encontrados objetos de ouro na época(lembra que já tinha sido explorada?).
Tanto os objetos encontrados como as evidências arquitetônicas levam os investigadores a crer que a cidade de Machu Picchu terminou de ser construída entre o fim do século XV e o início do século XVI.

Essa expedição de Bingham foi patrocinada pela Universidade de Yale e pela National Geographic Society, foi totalmente registrada em uma edição especial da revista, publicada em 1913, com 186 páginas e centenas de fotos maravilhosas que mostram a grandiosidade do local.

De acordos com estudos no local e restos esqueléticos encontrados, a maioria das pessoas que viviam lá eram imigrantes de diversas origens, inclusive os animais.
Vários ossos encontrados não eram nativos da área e a maioria eram de lhamas e alpacas. Sabe-se que esses animais vivem naturalmente em altitudes de 4 mil metros e provavelmente foram trazidos de outras regiões para o consumo de carne e pele. 

A ossada de seis cães foram encontradas no local. Devido ao local onde foram encontrados, acredita-se que serviram como companheiros dos mortos, pois estavam "juntos" com os restos de humanos.

Nas grandes escadarias construídas na ladeira estão os terraços de cultivo. Estruturas formadas por um muro de pedras e preenchidas com diferentes tipos de materiais, como pedras, cascalhos e argila. Os materiais foram precisamente pensados para facilitar a drenagem, evitando que a água crie poças e que tudo desmorone. O local é dividido em um setor urbano e um setor agrícola, uma cidade alta e uma cidade baixa. Os templos estão na cidade alta, os armazéns no inferior.

A arquitetura foi totalmente adaptada para as montanhas. São aproximadamente 200 edifícios espalhados pelos terraços, com sistemas de irrigação sofisticados para os campos. No local existem edifícios simples como, oficinas, cozinhas, habitações, templos, mausoléu, residencia real, "calendário" solar e outras centenas de edifícios e invenções engenhosas. Na época já existia uma certa tecnologia. 

Uma cidade de pedra construída no alto de um istmo entre duas montanhas e entre duas falhas geológicas, em uma região que sofre constantes terremotos e chuvas o ano todo. É um grande desafio para qualquer construtor evitar que todo o complexo desmorone. Segundo Alfredo Valencia e Keneth Wright "o segredo da longevidade de Machu Picchu é seu sistema de drenagem, permitindo o escoamento da água e fazendo com que todas as estruturas permaneçam firmes ao longo dos anos".

**Curiosidades aleatórias**
- Por motivos de preservação ambiental, para proteger a fauna local (ursos, veados, aves), não são mais permitidos vôos de helicóptero na cidade sagrada desde 2010.

- Não é permitido fumar no local.
- Levar sacolas, tripés, fazer barulho, sair da rota, andar sem guia, levar drones e assim vai, uma lista gigante de proibições para proteger o local.

-Em janeiro de 2010, fortes chuvas causaram inundações no local, causando grandes prejuízos. As inundações chegaram a enterrar as ferrovias para Machu Picchu, prendendo milhares de moradores e turistas no local. A cidade foi temporariamente fechada para que pudessem resgatar as pessoas com segurança, em abril do mesmo ano foi reaberta para turistas.

Fontes:
www.waterhistory.org/histories/machupicchu/  Um estudo bem detalhado do local.
www.historiadomundo.com.br/
pt.wikipedia.org/