Lyosha, o menino que foi jogado no fogo pelo pai bêbado.





Lyosha - Foto: Pavel Volkov
Lyosha - Foto: Pavel Volkov

Lyosha nasceu na Rússia e em 2005 após a comemoração de Ano Novo, seu pai ficou totalmente alcoolizado e jogou seus dois filhos pequenos em um grande forno a lenha.
O seu irmão de 1 ano e dois meses morreu queimado. Graças a sua mãe, Lyosha, na época com dois anos, foi salvo.
Ele chegou a sofrer queimaduras graves nos ombros, cabeça, braços e pulmões.
A recuperação foi longa, levou mais de dez anos, incluindo reabilitações, cirurgias e vários enxertos de pele.
Como sua mãe não tinha condições de cuidar dele, ele foi acolhido por uma família em Moscou.

Aos 16 anos, Lyosha já havia conhecido metade do mundo. Tudo por causa de suas queimaduras, foi a centenas de clínicas e centros de reabilitação.

"Eu odiava as pessoas quando era mais jovem, sentia que elas me tratavam como se eu fosse algum tipo de animal."
"A certa altura comecei a gostar de psicologia. Ela me ajudou muito a entender o que estava acontecendo, e o ódio simplesmente desapareceu. Eu o deixei ir."
"As pessoas têm medo do que não conhecem e te odeiam ou sentem curiosidade e querem te conhecer."
Apesar de tudo que aconteceu, ele surpreende a todos por não ter medo de fogo.
"Eu amo fogo, amo lareiras, sei que pessoas que já se queimaram antes podem sentir medo (do fogo), mas eu não vejo o sentido de ter medo. Gosto de sua luz, do seu calor. É lindo. Posso observá-lo por horas."
Uma grande história de superação, poucos teriam essa coragem.
"Fui queimado quando criança e, de alguma forma, renasci das cinzas."

Hoje em dia Lyosha vive e estuda em Moscou, continua em contato com seu pai biológico, que saiu recentemente da prisão. Diz que nunca odiou o pai e que conversam como pessoas normais.
Lyosha - Foto: Pavel Volkov
Lyosha - Foto: Pavel Volkov

"Uma deficiência pode dar a você uma nova maneira de ver o mundo e até novas oportunidades, mas é importante não deixar sua vida inteira girar em torno disso, porque isso pode acabar com você", diz Lyosha.


Fonte:
BBC